2 Anos em T - Q&A e Coisas Aleatórias

on segunda-feira, 28 de novembro de 2016
Faz hoje dois anos desde que iniciei a terapia hormonal com testosterona. Há imensa coisa que poderia escrever sobre o assunto, e eventualmente irei escrever, mas não hoje, que já se faz tarde. Portanto, deixo aqui apenas algumas das perguntas mais frequentes que as pessoas me fazem em relação à terapia hormonal.


Quanto tempo é que demoraste para começar a tomar testosterona?
Pouco menos de um ano após ter iniciado as consultas para as avaliações psicológicas. A certa altura já tinha terminado as avaliações, mas tive de esperar mais de meio ano na fila de espera para a consulta de endocrinologia! Tivesse eu dinheiro para ir ao privado, teria começado uns meses mais cedo.


É possivel arranjar testosterona sem ir a essas consultas?
Sim, mas não o recomendo. É importante haver uma monitorização periódica do estado da nossa saúde de forma a evitar problemas que possam surgir. 

Como é que arranjo isso sem médicos, então?
Não sei. Sei que é possível porque já vi outras pessoas a faze-lo, mas eu sempre fiz tudo pelas "regras" e portanto não tenho informação sobre o assunto.

Só dá para tomar isso com injeções?
Não, há comprimidos (péssimos para o fígado) e gel (muito caro). Quando tiver dinheiro suficiente talvez mude para o gel porque sou um mariquinhas com medo de agulhas.

A testosterona não te deixa agressivo?
Não, continuo a mesma pessoa calma que era antes da terapia hormonal. Por vezes sinto-me mais impaciente, mas mesmo aí não reajo com agressividade. Este mito vem do fenómeno da "roid rage" que acontece com algumas pessoas (homens cis) que abusam de esteróides anabolizantes (entre os quais a testosterona) para ganhar músculo mais facilmente. No entanto, a dose que o pessoal trans toma é completamente diferente das doses que o pessoal dos ginásios faz nos seus ciclos.

Isso ajuda-te a crescer mais músculos?
Sim, ajuda um bocado, embora não seja esse o motivo pelo qual faço a terapia hormonal. E, adiantando-me à pergunta seguinte: não, não te arranjo disto para ganhares músculo no gym.

Cresceste em altura?
Não.

Nem ficaste com os pés ou as mãos maiores?
Nope.  Eu meço exatamente o mesmo e todos os sapatos e luvas ainda me servem. 

E a maçã de adão, cresceu?
Sim, essa sim, juntamente com as mudanças na voz. 

Há alguma mudança que não gostes?
Sim, o aumento do acne e o cheiro do suor.

Arrependes-te de alguma coisa em relação às hormonas?
Não.


Algumas notas e pensamentos que me foram passando pela cabeça ao longo dos últimos 2 anos:
  • tomar medicação injetável não é tão mau como estava à espera, mas mesmo assim não me consigo livrar da ansiedade imediatamente antes de a agulha me perfurar a pele;
  • tentar fazer conversa com a enfermeira quando tens uma agulha espetada no rabo não diminui o constrangimento da situação;
  • acne nos ombros e binders é uma combinação preparada pelo demónio;
  • assim como é também a combinação de acne na cara e pêlo facial;
  • epah, acne em geral. F*ck that;
  • os desodorizantes masculinos funcionam bem melhor que desodorizantes femininos;
  • durante o primeiro ano-e-tal, não, não andava rouco nem afónico, simplesmente ainda não tinha aprendido a usar direito as minhas cordas vocais;
  • ter a líbido aumentada nos primeiros meses não foi remotamente tão divertido como estava à espera; felizmente entretanto a coisa acalmou;
  • pela enésima vez: caros amigos gajos, não, vocês não vão ficar com mais barba nem com a voz mais grossa se tomarem a minha medicação; se acharem mesmo que têm algum problema hormonal, vão ao médico;
  • sim, posso vir a sofrer de calvice, tal como qualquer outro homem; não me lembrem disso, sff ;_;
  • fazer uma posologia ligeiramente diferente da maioria das outras pessoas não tem mal nenhum, as mudanças acontecem na mesma;
  • a testosterona não mudou a minha personalidade, mas sinto influencia a forma como reajo a emoções fortes (positivas ou negativas). As reações iniciais parecem ser mais intensas, mas também consigo voltar a uma "baseline emocional" com maior facilidade;
  • por vezes só dá para perceber que as mudanças estão a acontecer porque as outras pessoas (que já não nos vêm há algum tempo) as apontam;
  • ou então quando me ponho a olhar para fotografias; fotografar as mudanças foi das melhores ideias que já tive no contexto da transição!

1 comentários:

Sofia Ribeiro disse...

Heyy :D adorei a parte do medo de agulhas, super relatable ahah gostava de começar a minha avaliação amanhã :D mas ainda preciso de um pouco de introespeção. A maior das sortes para o futuro :D um beijinho, Sofia ;*

Enviar um comentário